Feeds:
Posts
Comentários

Archive for novembro \12\UTC 2009

Para Denise

Não tem como falar dela sem pensar em autenticidade.
E pra desejar felicidade é preciso rogar a todos os deuses do Olimpo que a conservem nessa singularidade, mas também na pluralidade do seu espírito em vôo livre!
Mas à descoberta sucede a dúvida: A singularidade comportaria uma pessoa tão múltipla, tão plural?
E clara é a certeza de que a arte disso que intitulamos vida se assenta também nas (re)descobertas e (re)invenções que partem de dentro pra fora.
Os reles mortais que paguem pela petulância de tentar entender e/ou explicar o que nem carece ser dito, nem entendido, às vezes.
Que são as palavras frente aos sentidos?

Laurita

*****************************************

Sonhei e fui, sinais de sim,
Amor sem fim, céu de capim,
E eu olhando a vida olhar pra mim.

Sonhei e fui, mar de cristal,
Sol, água e sal, meu ancestral,
E eu tão singular me vi plural.

(Lenine)

Anúncios

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: